Excesso de chuvas X secas: hidroponia pode ser a solução

Em tempos de seca no Nordeste, que está atingindo inclusive Fernando de Noronha, o empresário Zé Maria Sultanum, que teve o seu trabalho destacado pela Revista Hidroponia em agosto de 2011, lançou uma proposta no mínimo inusitada. O pousadeiro sugere o sistema de plantio hidropônico como forma de atenuar os efeitos da estiagem. Mas hidroponia não é o cultivo a base de água? Sim é a resposta, mesmo assim Zé Maria defende a tese

O pousadeiro tem uma plantação neste sistema na ilha e outras três no continente. No cultivo hidropônico as sementes são alimentadas pela água, que percorre as canaletas. Os nutrientes chegam misturados no líquido. “Diferente que muitas pessoas pensam, a hidroponia economiza 80% da água utilizada, se comparada a uma plantação tradicional” informou Sultanum. Ele conta que o líquido circula e é reaproveitado várias vezes.

Zé Maria também explica que a economia não para por aí. Segundo o empresário, no cultivo tradicional são necessárias cinco pessoas para manter um plantio com 10 mil pés de hortaliças, por exemplo, enquanto no hidropônico apenas um agricultor pode manter o mesmo número de plantas. Outra vantagem apontada é que no cultivo tradicional para esta mesma produção é preciso utilizar uma área de cerca de cinco mil metros quadrados, no hidropônico são  500 metros quadrados para se obter o mesmo resultado dos 10 mil pés.

“Tem ainda o fato de o agricultor fazer o trabalho ereto, em pé, uma vez que o cultivo é suspenso. Isso é mais humano, evita a obrigação de trabalhar agachado” avalia. Especialista na área, Zé Maria se coloca a disposição do governo para ajudar na implantação da hidroponia em outras localidades. “O investimento não é muito grande, com cerca de 20 mil reais pode-se fazer o cultivo de 10 mil pés de folhagens” calcula. “O rendimento do hidropônico é cerca de 40% maior que numa plantação tradicional” estima.

Atualmente o empresário é um dos maiores do setor no país.  Ele produz oito tipos de alfaces, coentro, cebolinha, manjericão, salsa, salsão, chicória, espinafre, rúcula, pimentão, tomate, pepino, berinjela e pimenta, entre outros itens.

Excesso de chuvas favorece a hidroponia e o uso de estufas
Apesar das perdas em diversas culturas, o excesso de chuva, já comum em São Paulo acabou beneficiando métodos alternativos para a produção de hortaliças. Sistemas como a hidroponia e o uso de estufas vêm garantindo a produção.

Os seguidos dias de chuva trazem muitas perdas nas plantações. O produtor de hortaliças Felipe Leal cultiva mais de 30 tipos de hortaliças em Embu Guaçu, na grande São Paulo. Ultimamente, só o que tem feito é contabilizar prejuízos.
A situação se repete em diversas cidades próximas a capital paulista, no chamado Cinturão Verde. Muitas plantações são alagadas pelas constantes chuvas.

Para se proteger dos problemas climáticos, os produtores de hortaliças de Embu Guaçu, pertinho de São Paulo, encontraram uma solução. Eles cobriram as plantações com estufas. Até pouco tempo atrás, só havia plantação a céu aberto no local. Os produtores foram ainda mais ousados e também adotaram a hidroponia. A água não é problema, mas a solução.

O produtor Eduardo Miyayaciki foi um dos primeiros a adotar o sistema no município. Ele construiu a primeira estufa em 97. Cinco anos depois, toda a propriedade já estava adaptada. Atualmente, ele tem 16 mil metros quadrados de estufas e se livrou da preocupação com o clima.

Além da questão climática, a hidroponia tem outros benefícios. Não é preciso preparar a terra. Tudo que a planta necessita de nutriente está na água. A produtividade chega a ser 10 vezes maior que no sistema comum, e o preço fica em média 20% mais alto. As vantagens já levaram mais da metade dos produtores de Embu Guaçu a migrar para a hidroponia.

Felipe desistiu de esperar o financiamento do Pronaf. Tirou dinheiro do bolso e está iniciando as obras para implantar a hidroponia. É um investimento alto, de quase R$ 200 mil, mas ele está bastante otimista.

Artigo visto em: http://www.revistahidroponia.com.br/

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *