A Eletrocondutividade ou EC nos cultivos

O que é a EC ou eletrocondutividade?

Neste artigo vamos nos centrar em explicar o conceito da EC ou eletrocondutividade nos cultivos em terra e hidropônicos. Explicaremos a importância da EC para obter os melhores resultados em nossos cultivos.

A EC é a capacidade que tem um liquido para transportar a eletricidade. A água, meio pelo qual as plantas se nutrem contem minerais dissolvidos, bem chamadas dissoluções aquosas. Estas dissoluções aquosas podem ter mais ou menos elementos minerais (sais) que influirão diretamente nos níveis da EC.

Não toda a água é condutora. A água destilada tem uma EC zero o que significa que não será condutora da eletricidade. Para fazer que esta água seja condutora deveremos aportar sais minerais e realizar uma dissolução. Estes sais às aportaremos na forma de adubos biológicos ou minerais.

Existem os filtros de osmoses que deixam a água limpa de impurezas, de modo que se obtém uma água resultante com EC zero. Estes aparelhos são usados pelos cultivadores que na sua região tem uma água com uma EC inicial alta, de mais de 0.6 ms/cm (milisiemens por cm) e utilizam uma mistura de ambas para obter uma EC inicial de 0.4 ms/cm. Também é possível adequar nossa água tratada com micronutrientes de cálcio e magnésio com uma dosagem de uma parte de magnésio por dois de cálcio de EC 0.0 ate 0.4 ms/cm. A partir deste ponto adicionaremos os adubos ate conseguir a EC desejada dependendo a etapa do cultivo.

Medidores de EC

Os medidores eletrônicos fixos são aqueles que medem constantemente o nível de EC. Estão compostos por uma sonda portátil que podemos deixar no reservatório para conhecer em tudo momento a nutrição que estão tendo nossas plantas. Esta sonda portátil esta conectada a traves de um fio á consola onde se podem ler os dados transferidos.

Os medidores eletrônicos portáteis ou compactos (de bolso) são aqueles que a sonda vai fixa na consola e são individuais. Os medidores realizam as medições em Milisiemens (Ms) ou partículas por milhão (PPM), sendo os mais comuns e fiáveis os medidores que realizam as medições em (Ms).

Dependendo o tipo de substrato utilizado o medidor de EC será indispensável. Naqueles substratos inertes, como o coco, lã de rocha, argila expandida, perlita, etc. as dosagens de nutrientes devem de ser as adequadas dependendo o estado de vida da planta, já que o substrato não contem nenhum elemento para que as plantas se possam nutrir, de modo que nós deveremos aportar estes nas irrigações.

Quando cultivamos em terra enriquecida com húmus, guano, etc. esta já contem nutrientes e em consequência uma EC adequada para que as plantas se alimentem sem temor a que tenham carências por falta de adubo.

Pelo contrario se cultivamos com uma terra pouco adubada se fará necessário aportar adubo desde o inicio do cultivo para um correto desenvolvimento das plantas.

Como saber o nível da EC do substrato

Para saber se temos o substrato das plantas saturado de sais minerais, as quais podem chegar a causar um bloqueio ou uma sobre fertilização nas plantas, o único que devemos fazer é conhecer o nível de EC da água residual, ou seja, da água da drenagem dos vasos depois de realizar as irrigações.

O primeiro que faremos depois de comprovar que a EC da entrada é diferente que a de saída, sendo a EC de saída muito maior á EC de entrada, irrigará com o triplo de água da capacidade dos vasos sem adubos, com um ph regulado dependendo da etapa de vida das plantas e do substrato utilizado. Posteriormente recolheremos a água de excesso da irrigação e com o medidor observaremos a concentração de EC que temos. Se observarmos que a EC da drenagem esta dentro de uns parâmetros aceitáveis terá realizado um bom lavado de raízes.

Para os cultivadores em coco e hidroponia realizaremos um lavado de raiz com o triplo de água sem adubo e ph estabilizado quando a EC da drenagem ou o excesso desta exceda os 2.5 ms/cm. Deste modo o que conseguiremos será rebaixar em grande parte a quantidade de EC do substrato favorecendo as plantas e criando um melhor meio de vida onde conseguirão se recuperar em poucos dias da sobre fertilização.

Para os cultivos em terra o lavado de raiz os realizará quando a EC supere os 2.3-2.4 ms/cm e deixaremos o substrato limpo para voltar a irrigar com a quantidade adequada de adubo uma vez este fique seco.

Nos cultivos em terra podem-se não utilizar estes aparelhos de medição, mas deveremos ter em conta que estaremos controlando as plantas de um modo menos preciso que se usáramos os medidores.

O processo da osmose inversa na sobre fertilização

Uma das partes mais importantes das plantas são as raízes e estas são as encarregadas de captar as sais minerais e transformar estas em nutrientes assimiláveis para que as plantas possam crescer. Estas raízes compostas em parte por água e sais dissolvidas que variam dependendo o estado de vida em que se encontram as plantas, ou seja, têm uns níveis de EC variáveis desde que germinam até que se colheita.

Estas raízes se nutrem corretamente quando o nível de EC do substrato é menor ao nível de EC da raiz. O problema ocorre quando o nível de EC da raiz é inferior ao do substrato, já que a planta da raiz procura estabilizar o substrato evacuando água para diluir a EC do substrato e fazer esta mais parecida á que contem nas suas raízes. A consequência deste processo é a desidratação e posteriormente a morte da planta.

Recomenda-se cultivar utilizando os medidores de EC porque assim podemos aportar e controlar os nutrientes necessários dependendo o estado de vida das plantas e facilitar o crescimento e floração das plantas.

Cabe destacar que cada planta dependendo da variedade, substrato onde seja cultivada, do numero de irrigações e quantidade de água, dosagem de adubos, temperatura, umidade, etc. suportara uns ou outros níveis de EC, mas os parâmetros gerais para os cultivos em terra ou hidroponia mostram-se  na tabela a seguir:

Temperatura da água

Há muitos fatores que influem sobre a EC real que admitem as plantas ou que podem absorver. Cabe destacar que o oxigênio é um dos elementos que facilita a absorção dos nutrientes em maior ou menor medida dependendo da temperatura que tenhamos numa dissolução aquosa utilizada na nutrição das plantas.

Dependendo da temperatura que tenhamos em nossa dissolução, as plantas puderam-se nutrir melhor ou pior. Uma dissolução com uma temperatura de 18-20º C, as plantas em geral conseguem ter o 100% dos nutrientes disponíveis. Até os 24ª C considera-se que a nutrição é ótima com um 90% de assimilação de nutrientes, mas acima desta empiora gradualmente. Com uma temperatura de mais de 30º C a oxigenação será muito menor e a capacidade da planta para se alimentar será reduzida em grande parte pela falta de oxigênio na dissolução, podendo chegar a gerar apodrecimentos radiculares e em consequência a morte por asfixia das plantas. Assim que é importante ter em conta este fator para ter um cultivo totalmente controlado e coseguir os melhores resultados em nossas colheitas.

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *